A coleção Carrand no museu do Bargello

torre bargello

Todos conhecem o Museu do Bargello em Florença como um grande museu de escultura, mas muitos não sabem que é também o mais importante museu de artes menores da Itália. Ao lado das famosas obras de Donatello, Verrocchio, Michelangelo e Della Robbia, de fato, há também objetos de uso cotidiano como jóias, porta-jóias, tabuleiros, armas, bastões, pentes e espelhos de inestimável valor.

Esta extraordinária coleção, chamada coleção Carrand, é mantida desde 1888 na sala denominada “sala do Duque de Atenas”. A coleção, que reflete o eclético típico da arte e da cultura da segunda metade do século XIX, é composta de uma coleção de artes menores iniciada por Jean-Baptiste Carrand e depois continuada por seu filho Louis.

Jean-Baptiste Carrand era um homeme de origens modestas, com uma paixão particular pelos objetos medievais. Assim, a partir de 1826 consolidou a sua fama de colecionador e especialista, que coincidia com um crescente interesse na França para a reconstrução do passado histórico. Na sua morte, o filho Louis continuou a tradição de seu pai ainda que transformando alguns setores, porque mais interessado em esmaltes, armas e móveis, cerâmicas, metais, tecidos e pinturas.

Chegado em Florença em 1886, foi chamado para participar das celebrações pelo centenário de Donatello e na "Mostra Donatelliana" de 1887, no Bargello, expôs preciosos esmaltes, cerâmicas, azulejos, marfins, couro e tecidos. Na sua morte, nem 1888, Louis Carrand destinou a sua coleção para a cidade de Florença, em particular ao Bargello, que assim adquiria bem 3300 objetos da Idade Média e do Renascimento, conseguindo também uma dignidade internacional no campo das artes menores, sempre negligenciada na Italia por causa de uma tradição acadêmica, com tendência a preferir a pintura e a escultura.

Compre Bilhetes online

Entre as vitrines do museu florentino encontramos assim colocados trabalhos de ourivesaria, esmaltes de Limoges, metais, objetos indianos, esculturas e pinturas da coleção, mas também objetos islâmicos, bronzes, plaquetas, cerâmicas, armas, medalhas e selos coletados por Carrand.

Entre os exemplares de ourivesaria incluem numerosos alfinetes  de várias formas e funções.Entre estes a mais famoso e representativo da ourivesaria dos Bárbaros  é a frente do capacete de Agilulfo, em bronze dourado, exposto juntamente com achados de artefatos bizantino em ouro, pedras preciosas, pérolas e vidros coloridas e  vários camafeus e pedras esculpidas. Enquanto, entre os exemplares de arte em ouro de caráter profano mais refinados destaca-se o Medalhão com dromedário em ouro e esmaltes, de manufatura francesa do início do século XV.

Também os esmaltes ocupam lugar significativo na coleção Carrand, seja por quantidade que por qualidade. Entre os mais antigos figura uma Pomba em bronze de manufatura francesa do século XII.

Estão expostos também objetos em metal de uso doméstico como pratos, jarros, entre os mais exclusivos em  forma de cavaleiro armado, de fabricação flamenga e francesa.

Não faltam depois as pinturas: mais famosas de todos o chamado "Dittico Carrand" , obra da escola francesa da segunda metade do século XIV. As esculturas são poucas, entre estas uma Nossa Senhora dolorosa em madeira policromada, de escultor maneirista florentino (1525 ca.), recente aquisição do museu.

Compre Bilhetes online