Viver a história em Florença

Palazzo Galletti

Passar algum tempo em Florença cercado da história e da arte é o modo melhor perara viver plenamente esta extraordinária cidade. O “berço do Renascimento” oferece de fato a oportunidade de morar em algumas entre as mais belas residências históricas urbanas para viver a atmosfera florentina mais autêntica.

Muitas destas casas moradias históricas se encontram nos mais elegantes palácios históricos da cidade, em pleno centro e próximos a todos os tesouros artísticos florentinos. Decoradas e reestruturadas com o máximo cuidado e atenção aos detalhes, são um prazer para os olhos graças aos móveis da época, tetos com afrescos, tecidos preciosos e materiais de artesanato toscano.

Uma estadia deste tipo é perfeito para quem quer viver a cidade sentindo-se muito mais que um simples turista. As residências de época se inserem de fato em um conceito novo de hospitalidade, cuidada e elegante. Eis então que vilas e palácios de época pertencentes a famílias antigas e aristocráticas abrem as suas portas para uma hospitalidade mágica e uma viagem que vai além das espectativas, entre  o encanto da arte e da história, onde a beleza não conhece tempo.

A residência da época na Praça da Signoria, por exemplo, é um local de cinema com vista para uma das praças mais bonitas da Itália em uma fusão de história e estilo em um contexto realmente de uma outra época. Se encontra na praça mais central da cidade e dispõe de dez quartos amplos e luminosos, um diferente do outro, decorados com móveis antigos, alguns com vista para a  esplêndida Piazza della Signoria. Todos com nome de ilustres personagens florentinos e mostram  os seus vestigios, porém são dotados também de todas  comodidades modernas.

Uma outra residência da época é aquela do Palazzo Galletti, a poucos passos da Catedral e da igreja de Santa Croce. Aqui entrando se tem súbito a sensação de se encontrar em um ambiente particular, excelentemente privado que oferece um mix de aproximações originais: o antigo altar que serve de balcão, o divã de design, as esculturas chinesas que se juntam em nichos. A residência funde de fato o estilo neoclássico da estrutura com obras de arte étnica proveniente de todo o mundo, dando vida a um ambiente requintado e elegante. No seu interior são organizadas periodicamente exposições de arte contemporânea. Os hóspedes têm a possibilidade de admirar obras de arte de prestigioso valor expostas nos seus quartos, de encontrar pessoalmente os artistas e de poder comprar as obras.

 

Palácio Niccolini al Duomo se encontra no coração do centro histórico de Florença, na praça da Catedral, a 30 metros dalla Cúpula de Brunelleschi, no centro da "shopping area" e a pouquíssima distância dos principais monumentos e museus. A residência foi completamente renovada, deixando, todavia, de fato a atmosfera e o fascínio des tempos passados. Grandes espaços, tetos altos e decorados, preciosos afrescos e móveis de grande valor são as características principais desta residência. O palácio foi propriedade da família Naldini da primeira metade de 1500 a 1879 quando a última descendente, Cristina Naldini, se casou com o Marquês Eugenio Niccolini di Camugliano. A família Niccolini habita o palácio desde quatro gerações e os proprietários atuais, Filippo e Ginevra Niccolini di Camugliano, cuidam pessoalmente de todos os particulares da residência, de modo que os hóspedes possam desfrutar de um tratamento igual aquele de um hotel de luxo.

A poucos passos da Catedral enfim, no centro da zona mais antiga e artisticamente rica de Florença, Palácio Tolomei acolhe os hóspedes com a atmosfera única de um lugar que permaneceu imutável nos séculos. Os apartamentos, os quartos e os salões conservam de fato o fascínio de viver imersos na beleza e na arte. Não tem canto do palácio que não faça lembrar a sextraordinária riqueza da Florença renascentista, com os seus preciosos afrescos, estátuas e estuques. Em particular são de evidenciar os salões, encomendados para o matrimônio do riquíssimo ourives Leon Battista Del Chiaro com a nobre senhora Maria Ugolini que gabam afrescos de Giuseppe Nicola Nasini e Alessandro Gherardini.

Um mergulho na história florentina, aquela mais densa de arte e beleza, contudo com todas as comodidades modernas e o bem-estar de uma cidade plena de recursos e cosmopolita como a Florença de hoje.