O mito, o sagrado, o retrato na Galeria Palatina

mito sacro ritratto

Até  31 de agosto de 2013 a Sala dos Nichos na Galleria Palatina abriga a exposição “O Mito, O Sagrado, O Retrato, pinturas desde os depósitos da Galleria Palatina”, uma antologia que expõe importantes obras de arte reunidas graças ao colecionismo dos Medici e ao profundo vínculo que esta família teve com a cidade de Florença a qual eles ataram com moderna previsão a permanência dos seus tesouros “para adorno para o Estado, para utilidade do Público, e para atrair a curiosidade dos estrangeiros”.

Em exposição estão 19 pinturas que narram a história de lugares, palácios e vilas de clientes que solicitarm aos pintores mais conhecidos e mais populares do momento ou que as haviam comprado para poder enriquecer as suas coleções.

A exposição está dividida em quatro seções diferentes que marcam um percurso que ilustra os temas mais comuns para o gosto dos colecionadores nos anos que vão de 1560 a 1650. A pintura central entre aquelas exposta é Ercole e l’Idra di Lerna di Guido Reni e é datada em torno de 1638-40. A obra provem da coleção do Cardeal Giovan Carlo no Casino dos Medici na via della Scala. Aqui está pintado o herói  Hércules, símbolo máximo da força na época dos medici. Ao mito se podem reconduzir também as duas tela com Tarquin e Lucretia de Simone Pignoni que se referam em vez à castidade e à força feminina.

Uma outra seção, dedicada as Histórias Sagradas, oferece temas do Antigo e Novo Testamento, desenhados por artistas fiamengos como Frans Floris, e italianos, como Artemisia Gentileschi e o veronese Jacopo Ligozzi.

Compre Bilhetes online

Uma terceira seção representa uma breve homenagem a Don Lorenzo de’ Medici, filho de Ferdinando I e Cristina di Lorena. Conhecido como refinado e atento amante das artes, mecenas dedicado aos maiores pensadores de sua época, Don Lorenzo encomendou diversas obras para a sua casa de Villa della Petraia. Aqui se destacavam extraordinárias obras como a grande tela com "Orlando na caverna dos ladrões" e uma série de ovais com Ila, Zephyr, o Jovem com jaqueta azul e a Alegoria da Comédia.

Finalmente, a última seção trata do Retrato, como expressão dos laços familiares e políticos, mas também como presente, ou símbolo das virtudes morais do personagem reproduzido. Em exposição estão cinco pinturas: Gastone d’Orleans, Enrichetta Maria e Elisabetta, filhos mais novos de Maria de’ Medici e Enrico IV di Francia, junto a Cosimo III de’ Medici e Margherita de’ Medici como Santa Margherita, realizadas por dois entre os maiores especialistas do gênero, Frans Pourbus o Jovem e Justus Suttermans.

Os quadros presentam alguns entre os momentos mais importantes para a história da família do Grão-Ducado, documentando o papel e a importância no quadro da política europeia.

Compre Bilhetes online